Frango com Polenta para Matar a Saudade de meu Irmão

cocotte

Faz dez anos hoje que o dia 25 de dezembro, em minha família, é um dia igualmente festivo e nostálgico. Há dez anos meu irmão Cauê voltou para o plano espiritual. A dor de sua perda passou com o tempo, mas a saudade… Esta não passa nunca, aprendi a conviver com ela, como se convive com um vizinho rabugento. A verdade é que a morte de um jovem no inicio de seus vinte anos tem sempre um não sei que de mais trágico e frustrante, e quando essa morte se dá na manhã de Natal, bem… Aí então nem preciso dizer nada, né?

Até hoje sinto um leve calafrio na espinha todas as manhãs de Natal e me lembro de meu pai e de sua esposa Ana tentando me dar a triste notícia por telefone, as várias ligações que caíam e os fragmentos de frases que não faziam o menor sentido (vocês se lembram como era a telefonia móvel naquela época?). Até que a Ana, em um enorme esforço para completar a mensagem amarga, economizou em artigos e preposições e em tudo o que foi possível no telefonema seguinte e disse apenas: “Janaina, não embarque, Cauê morreu!”. Foi então que me senti como aqueles clichês “roliudianos” em que seu espírito deixa seu corpo e fica a distância observando a cena, e você, apenas uma casca vazia, fica executando todas as ações necessárias como se fosse um robô. Todas as palavras desconectas das ligações anteriores fizeram sentido, e eu compreendi várias coisas naquele segundo. A primeira foi que eu nunca mais iria ouvir o som da risada de meu irmão; a segunda era que eu teria que cancelar momentaneamente minha mudança para o outro lado do país (que estava marcada para dali a algumas horas!); e a terceira,  e incrivelmente cruel, era que eu seria a responsável por comunicar a minha mãe e aos meus irmãos o desencarne do Cauê.

Nada do que aconteceu nas horas e dias, imediatamente seguintes aquele telefonema, vale a pena ser narrado aqui. Hoje, como em todos os Natais, a saudade de meu irmão é grande, mas eu procuro preencher o vazio deixado por ele recordando dos bons momentos que compartilhamos nesta vida. Não se equivoquem, não sou daquele tipo  ingênuo que eleva a categoria de santos os entes queridos falecidos. Tivemos momentos muitos difíceis, Cauê e eu, e conflitos, e brigas, e reconciliações… Éramos irmãos e nossa relação era maravilhosamente imperfeita como só a de dois irmãos pode ser.

Cauê foi o bebê mais doce que conheci (incluindo os meus próprios!) , e foi uma criança igualmente linda e carismática. Em adulto era um grande sedutor (característica que acredito fazer parte do DNA dos homens com sobrenome “da Matta”) deixando filas de garotas com olhares melosos ou corações partidos por onde passava, e era também um bon vivant. Dos prazeres que aproveitou em seu curto período nesta vida, comer era certamente um de seus preferidos. Ele era do time dos que são os primeiros a sentar a mesa e os últimos a se levantar. E me ligava com frequência para pedir receitas e dicas culinárias. A última vez que, a distância, o ensinei a preparar um jantar  foi quando ele fez frango com polenta para seus colegas de república. Esse é um prato que minha mãe fazia com frequência e que, junto com a lasanha e o nhoque de batata recheado, era um de seus preferidos.

Hoje, para matar a saudade de meu “little brother”, vou compartilhar com vocês a última receita que ensinei para ele.

FRANGO COM POLENTA DA

DONA SONIA:

Preciso explicar agora por que meu irmão ligou para mim e não para minha mãe para pedir a receita…

É que eu fiz uma pequena alteração no preparo original, o qual ambos achamos que ficou bem melhor, mas nenhum de nós dois tinha coragem de falar para D. Sonia. Assim quando fazíamos a receita na casa dela usávamos todo o frango, com ossos, cortado em pedaços. E na minha versão eu passei a usar apenas a sobrecoxa (parte preferida de quase todos lá em casa) e depois também eliminei os ossos para facilitar o serviço.

Sem mais delongas então:

INGREDIENTES:

Para o molho de frango:

1/2 cebola picada;

02 dentes de alho picados;

500g de sobrecoxa de frango desossada, cortada em cubos grandes;

01 lata de tomate pelado (picados)

1/2 xícara de água;

01 raminho de tomilho fresco

01 folha de louro seco ou fresco

03 folhas de sálvia fresca

150g de queijo prato fatiado

01 colher de sopa de queijjo parmesão ralado

Sal, pimenta do reino branca, cheiro verde de acordo com seu gosto

Óleo de canola

PREPARO:

Em uma panela (de preferência de ferro) aqueça o óleo de canola. Junte e refogue o frango até que os pedaços fiquem bem dourados. Coloque a cebola e o alho e refogue novamente. Junte o tomate, a água, o tomilho, o louro e sálvia. Tempere com sal e pimenta do reino, prove, ajuste se necessário. Tampe a panela e abaixe o fogo e deixe cozinhar por cerca de 40 minutos. Não esqueça de mexer de vez em quando. Se o molho começar a ficar muito grosso, adicione mais um pouco de água fervente. Desligue e junte o cheiro verde.

Os queijos serão usados na montagem.

Dica: mantenha sempre uma chaleira de água fervente a mão quando estiver se aventurando na cozinha.

Para a polenta:

INGREDIENTES:

01 litro de caldo de galinha caseiro

½  xícara de queijo parmesão ralado

01 colher de sopa de manteiga

01 e ½ xícara de fubá

Sal e pimenta do reino a gosto

PREPARO:

polenta

Coloque o caldo de galinha em uma panela funda. Assim que começar a ferver vá colocando o fubá como se estivesse polvilhando sobre o caldo e mexendo sem parar.

Mexa vigorosamente até que dissolva todo o fubá. Abaixe o fogo e mexa por mais dez minutos sem parar. Junte o queijo ralado e a manteiga. Tempere com o sal e a pimenta do reino. Mexa bem. Se ficar muito grosso coloque mais um pouco de água quente (sua chaleira está por aí, né?).

MONTAGEM:

Em um refratário de tamanho adequado coloque duas colheres da polenta e espalhe “lambuzando” a superfície. Coloque os pedaços de frango e uma parte do molho da panela e distribua bem. Cubra o frango com as fatias de queijo prato. Cubra todo o frango com a polenta, regue com o restante do molho do frango e polvilhe o parmesão ralado. Leve ao forno pré-aquecido a 180°C por 40 minutos.

Sirva com um arrozinho branco e couve refogada ou brócolis ao alho (eu prefiro o brócolis!).

Aproveitem! E convidem seus irmãos para comer com vocês!

Rendimento: 03 porções

Grau de dificuldade: médio

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s