10 Mandamentos da Boa Alimentação*

“Há mais mistérios entre o céu e a terra do que supõe a vossa vã filosofia”

(William Shakespeare – Hamlet)

Pois é, entre a lavoura e a e nosso prato também; e a verdade é que ficamos tão distante da “terra” e nos acomodando tanto com as facilidades que deixamos de pensar nesse percurso.

Mas para aqueles que se preocupam com a qualidade do que levam a mesa todos os dias esta deve ser uma reflexão obrigatória.

Há alguns meses estou mergulhada nos livros do autor norte-americano Michael Pollan, que são fascinantes e perturbadores a tal ponto de que não se pode terminar sua leitura sem que sua vida vire no avesso.

Pollan questiona os caminhos que nossa sociedade e suas escolhas alimentares trilharam até os dias de hoje e põe em choque as conseqüências desse percurso com dados alarmantes que vão desde as estatísticas sobre obesidade infantil até poluição ambiental.

Além de questionar a qualidade da nossa alimentação o autor também alerta para o fato de estarmos, sempre em nome da correria cotidiana, abandonando nossa cultura alimentar. No livro, Pollan defende que comida é ligada ao prazer, à comunidade, à família e à espiritualidade. É como nos conectamos com o mundo natural e expressamos nossa identidade. Comer é um momento de reflexão intima, de prazer e de sociabilidade.

Sem adoçar nem um pouco a pílula somos obrigados a encarar o fato de que estamos nos tornando cada vez mais preguiçosos e que tudo o que nos é oferecido em nome da facilidade e do conforto nós aceitamos como robustos cordeirinhos, sem questionar nada.

A verdade é que não estamos comendo comida, estamos comendo decisões políticas acordadas principalmente para atender aos interesses deste ou daquele setor que tem “braço forte” e que exerce uma enorme pressão na economia do país. Embora a obra de Michael seja fundamentada em dados do seu país de origem, a verdade é que essa realidade se repete em grande parte dos países nos quais os “Esteites” exerçam influencia marcante na cultura. Hum hum… Vestiram a carapuça?

Como mãe, como profissional e como espírita acho que é importante “chacoalhar o esqueleto”  e tomar uma atitude. Recomendo a todos a leitura do livro:  Em Defesa da Comida – Um Manifesto, do Michael Pollan. Para começar… E depois da reflexão… partam para a ação queridos! Por que se somos o que comemos… como podemos comer sem saber o que estamos comendo?

Ficam aí as dicas em forma de mandamentos para o inicio de sua pequena revolução alimentar:

Os 10 mandamentos da boa alimentação:

1. Não coma nada que a sua avó não reconheceria como alimento

2. Não coma nada que contenha uma enormidade de ingredientes cujos nomes você não consiga pronunciar sem esforço

3. Não coma nada que não apodreça em dois dias

4. Compre frutas e verduras em feiras livres

5. Não compre nada em cujo rótulo tenham destaque os nutrientes e os benefícios para saúde.

6. Pague mais, coma menos

7. Cozinhe seus próprios alimentos sempre que possível

8. Coma uma maior variedade de alimentos

9. Experimente algo novo toda semana

10.Coma à mesa, de preferência acompanhado e aprecie o prazer de uma refeição.

*Adaptado da obra de Michael Pollan

Abraços a todos!

http://michaelpollan.com/

http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2597791/em-defesa-da-comida-um-manifesto

http://www.submarino.com.br/produto/6735838/livro-em-defesa-da-comida

http://www.wook.pt/ficha/em-defesa-da-comida/a/id/5101448

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s